5 problemas de usabilidade que podem prejudicar o seu negócio

Ilhasoft

Os aplicativos têm estendido cada vez mais seu campo de atuação por meio da crescente lista de dispositivos conectados: geladeiras, televisores, relógios e outros gadgets Internet of Things.

Entretanto, ao observarmos apenas o nicho dos apps para smartphones e tablets, já se verificam demasiadas complicações no desenvolvimento dessas ferramentas, tendo em vista as questões de usabilidade.

Nesse post, abordaremos 5 desses problemas de usabilidade e apontar medidas a serem implementadas para que se possa contorná-los. Vamos a eles!

1. Ignorar a plataforma S.O. Android não se justifica

O principal desafio ao desenvolver apps para Android é tornar o seu app o mais compatível possível, visto que há vários modelos e marcas de smartphones com hardwares específicos e, na maioria das vezes, rodando versões personalizadas desse S.O.

Essa questão deve ser cuidadosamente ponderada, tendo em vista a impossibilidade de abarcar a todos os dispositivos Android com seu app. Sendo assim, uma medida razoável é investir no desenvolvimento da compatibilidade de seu produto com a maioria dos aparelhos mais populares.

Ademais, há excelentes ferramentas para desenvolvedores de apps que possibilitam que a interface desenvolvida seja visualizada em diferentes smartphones. Trata-se do Design Preview, programa no qual você poderá visualizar seu app em simulações de telas de diversos smartphones Android.

Dessa maneira você não se restringe apenas ao público Apple, podendo explorar o vastíssimo mercado para Android.

2. Fontes pequenas são um gigante problema de usabilidade

Seu conteúdo no app precisa estar agradavelmente legível. Nesse aspecto, deve-se levar em conta que a escolha das fontes contribui muito para o design e o apelo visual correto do seu produto.

O tamanho da fonte deve ser cuidadosamente planejado, pois a leitura precisa ser confortável para o usuário. Lembre-se de que eles não acessarão seu app em um monitor 4k de trinta e duas polegadas, mas sim, nas pequenas telas dos smartphones.

Além disso, as fontes convencionalmente usadas são as mais comuns por um motivo muito óbvio: elas possibilitam a leitura mais fluida. Por isso, não utilize fontes alternativas e arrojadas demais. Nesse quesito, o tradicional sempre é o melhor.

3. Processo de checkout muito burocrático, fuja dele

Fazer checkout em apps é especialmente penoso quando se trata de dispositivos mobile (também pelas dimensões reduzidas das suas telas). Ninguém gosta de ter que digitar vários dados de usuário, como endereço completo, telefone, e-mail, entre outros, no celular.

Para isso, uma solução bastante usada é possibilitar ao usuário que se faça o checkout por meio de uma conta no Facebook, por exemplo. Sendo o processo de criação de contas em sua plataforma rápido e descomplicado, as pessoas poderão completar procedimentos de compra ou outros mais delicados em telas maiores mais tarde, em um computador.

4. Navegação pouco fluida no app é um fator desmotivador para o usuário

É preciso pensar sob a perspectiva do usuário, programando eficientes, fluidos e intuitivos caminhos de navegação dentro do aplicativo. O investimento cauteloso na parte estrutural do app faz com que os usuários voltem à aplicação mais vezes. Isso porque para ele, torna-se fácil “circular” naquele ambiente.

Instrua sua equipe de experiência do usuário sobre o fato de que programar cuidadosamente a parte estrutural do aplicativo é mais proveitoso, no que se refere à fidelização do usuário, do que a inserção de muitos botões e comandos, os quais podem tornar confusa a interface da aplicação.

5. Não realizar pesquisa com usuários e aparelhos diferentes é imperdoável

Testes qualitativos com usuários servem para se conseguir o feedback por meio do qual os ajustes finais possam ser orientados. É um erro não expor o projeto a esses testes.

Com essas dicas, você será capaz de contornar os principais problemas de usabilidade de um app, garantindo o sucesso de seu produto.

Siga-nos nas nossas redes sociais — Facebook e LinkedIn — para acessar mais dicas como estas.